Startups

Até muito recentemente, empresas nascentes, ou startups, eram vistas como versões em escala reduzida de empresas maduras e organizadas, e orientadas a fazer uso dos mesmos métodos de gestão usados por essas últimas nas fases mais avançadas do seu ciclo de vida.

Na maioria das vezes, esses métodos, otimizados para empresas maduras e bem sucedidas, se mostravam inviáveis para as empresas nascentes, seja pelo esforço adicional que sua aplicação exigia da equipe interna, em geral pequena e focada nas atividades-fim da empresa, seja pela inadequação desses métodos a contextos de funcionamento indefinidos e instáveis, típicos de organizações humanas em fase de formação.

Foi somente com a percepção de que startups possuem características próprias, diferentes das empresas maduras, e com o surgimento de métodos de gestão aplicáveis a contextos organizacionais e operacionais incipientes, que essas empresas passaram a ter acesso a um repertório de métodos e técnicas apropriados a suas necessidades.

Dentre os métodos disponíveis para trabalhar com startups, a Baita selecionou a metodologia conhecida como Lean Startup, criada por Eric Ries em 2008 e descrita em seu blog Lean Startup Lessons e no livro The Lean Startup: How Today’s Entrepreneurs Use Continuous Innovation to Create Radically Successful Businesses, para fundamentar as atividades que compõem o seu processo de aceleração, descrito a seguir.